A proposta de regulamentação de escutas telefônicas, em estudo pelo governo federal, visa ?potencializar? o uso desse instrumento em investigações policiais. A afirmação foi feita pelo ministro da Justiça, Tarso Genro.

O ministro negou que o grupo de trabalho encarregado de elaborar a proposta seja ?antigrampo?. ?É um grupo para potencializar inclusive as escutas, mas potencializá-las de modo que elas não extravazem a vida privada, inclusive de inclusive de pessoas que nada têm a ver com a investigação em andamento?, explicou.

?Enganam-se aqueles que pensam que esse grupo de trabalho, que, aliás, já fez a sua segunda reunião e está com o trabalho bem avançado, vai ‘despotencializar’ as escutas?, acrescentou Tarso.

Na avaliação do ministro, ?a escutas constituem um instrumento fundamental do estado de direito?. Segundo ele, esses procedimentos substituem meios de investigação ?renegados pelo estado de direito?, como a pressão, a força e a violência para se obter depoimentos.

O ministro Tarso Genro deu a entrevista após participar do lançamento da pedra fundamental da construção da Escola Superior de Polícia e da solenidade de formatura de 749 novos policiais federais, na Academia Nacional de Polícia, em Brasília.