A reintegração de posse de um edifício na Rua Coronel Xavier de Toledo, na região central da capital paulista, terminou com 12 pessoas detidas na manhã desta quarta-feira, 17. Dez delas por desobediência, uma por desacato e outra por porte de drogas. A ação também interditou a rua e afetou a circulação de 35 linhas de ônibus, segundo informações da São Paulo Transporte (SPTrans).

O prédio de dez andares, onde moravam cerca de 300 pessoas, foi invadido em abril. Apesar de o processo na Justiça ser contra o movimento Frente de Luta por Moradia (FLM), a Central de Movimentos Populares (CMP) diz ser responsável pela ocupação.

A Polícia Militar chegou ao local por volta das 5h30 para cumprir a ordem de despejo. Por volta das 7h30, o clima era tenso. Os sem-teto criaram barricadas com móveis e outros objetos, o que dificultou a entrada dos PMs. “As famílias criaram formas de resistência, mas da forma mais pacífica possível”, afirma a representante da CMP Miriam Hermógenes. Os ocupantes também protestaram jogando papéis do alto do prédio, mas não houve confronto.

Por causa da reintegração, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) precisou interditar totalmente a rua entre o viaduto do Chá e a Rua Sete de Abril e 35 linhas de ônibus municipais foram desviadas. Duas pessoas tentaram furar o bloqueio e acabaram detidas. Uma delas por desacato e a outra por porte de drogas. Uma mulher também chegou a ter as mãos algemadas, mas foi liberada logo em seguida.

Quando os policiais do 7º Batalhão de Polícia Militar/Metropolitano (7º BPM/M) e do Choque conseguiram entrar no prédio, havia cerca de 40 pessoas no 9º andar do edifício. Segundo os ativistas, o comandante da operação solicitou o documento de identidade de todos os presentes para fazer ocorrência.

Dez pessoas acabaram detidas por desobedecer a ordem de saída dada pelos policiais. Todos os detidos foram encaminhados ao 3º Distrito Policial (Campos Elísios), onde devem assinar um termo.