O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), deixou o Congresso na noite desta quinta-feira pela garagem, evitando a manifestação. O caminho dá acesso a uma saída próxima ao Palácio do Planalto. Mais cedo, Renan e o então presidente interino da Câmara, André Vargas, esperavam lideranças do movimento. No entanto, não foram identificados representantes do protesto. “Importante deixar claro que o Parlamento continua aberto ao povo”, disse.

Alguns senadores permanecem na Casa e afirmam que só irão embora após o fim da manifestação, como Paulo Paim (PT-RS), Rodrigo Rollemberg (PSB-DF) e Pedro Taques (PDT-MT).

Calheiros classificou a manifestação como “democrática e legítima”. “A maior demonstração de humildade que o Parlamento pode dar, como casa do povo, é estabelecer um nova agenda em função das manifestações”, disse.