O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), deixou as dependências do Congresso e não deu entrevista sobre a sua absolvição no plenário da Casa. Depois de uma crise que durou 120 dias, Renan declarou: "Vou para igreja rezar".

A saída dele aconteceu em meio a um grande tumulto de jornalistas, que tentavam obter alguma declaração dele. Ele foi absolvido da acusação de ter despesas pessoais bancadas por um lobista da empreiteira Mendes Júnior.