O senador Renan Calheiros (PMDB-AL) afirmou em rápida conversa com repórteres que a idéia de renunciar ao cargo de presidente do Senado "jamais" lhe passou pela cabeça. Nesta terça-feira (19), sua renúncia ao cargo foi pedida, em plenário, pelo senador gaúcho Pedro Simon, do mesmo partido que Calheiros. O presidente do Senado falou com jornalistas que o abordaram ao deixar o prédio do Senado após reunião com a cúpula do PMDB durante a qual foi discutida estratégia para tentar aprovar amanhã, na sessão do Conselho de Ética da Casa, o processo em que é acusado de falta de decoro parlamentar, numa representação movida pelo PSOL.

"Tenho absoluta certeza de que a verdade prevalecerá", afirmou Calheiros. Sobre o senador pesa a suspeita de que pensão alimentícia à jornalista Mônica Veloso, com quem tem uma filha, teria sido paga por um lobista da empreiteira Mendes Júnior. O senador argumenta que pagava a pensão com recursos próprios, provenientes de venda de gado da fazenda que possui em Muricy, no Estado de Alagoas. Segundo Calheiros, o Senado está funcionando normalmente. Ele disse que, em nenhum momento, se sentiu pressionado a deixar o cargo. Ele disse aos jornalistas: "Pressão? Só de vocês.