O governo do Rio de Janeiro apresentou hoje o projeto de tecnologia flex para ônibus e caminhões, que poderão ser abastecidos tanto com diesel como com gás natural veicular (GNV). Segundo o governo, o sistema emite 20% menos gás carbônico e 80% menos material particulado que o diesel.

O protótipo de um ônibus dotado com o novo sistema será testado durante um ano nas ruas da capital fluminense, como parte do Programa Rio Transporte Sustentável, cujo objetivo é buscar alternativas de transporte mais limpo para o Estado, que vai sediar grandes eventos nos próximos anos, como a Copa do Mundo de 2014 e as Olimpíadas de 2016.

Durante a fase de testes, o protótipo será monitorado pela fabricante do ônibus, a MAN, que acompanhará o desempenho do veículo por meio da medição de sua eficiência energética, taxa de substituição e viabilidade econômica do projeto.

Além do benefício ambiental, o novo sistema pode permitir uma economia de até 25%, já que o litro do diesel custa atualmente cerca de R$ 1,70, enquanto o metro cúbico de GNV sai por R$ 1,20. O Rio é o Estado brasileiro que concentra a maior frota de veículos leves com tecnologia GNV, com quase 748 mil automóveis.