A obra de transposição de águas do rio Guaió para a represa Taiaçupeba, em Suzano, não está parada e realiza atualmente a transferência de 350 litros de água por segundo, afirmou Rodolfo Protti, membro da Diretoria Metropolitana da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), durante teleconferência com analistas e jornalistas sobre os resultados da empresa no segundo trimestre.

O empreendimento em questão recebeu investimentos de R$ 28,9 milhões por parte da estatal e previa a transposição de até mil litros de água por segundo para socorrer o Sistema Alto Tietê.

No entanto, o superintendente de Produção da Sabesp, Marco Antônio Lopez Barros, admitiu na quinta-feira, 13, durante apresentação sobre as obras emergenciais da empresa para o Comitê da Bacia do Alto Tietê, que a obra do Rio Guaió ainda está em fase de “pré-operação”, e que “não há água para retirar do rio”.

Segundo Protti, a capacidade total da obra é de transferência de mil litros de água por segundo, mas que, em função da quinzena excessivamente seca verificada em São Paulo, a transposição está limitada a 350 litros por segundo.

O executivo ainda afirma que a Sabesp está aguardando os próximos dias para checar se a afluência no rio Guaió melhora, permitindo que a vazão seja aumentada, mas destaca que, nas atuais condições, a obra está ajudando a aumentar a disponibilidade hídrica no sistema Alto Tietê.