Os proprietários de imóvel do Litoral paranaense agora têm nova tarefa. Nas regiões onde já existe a rede coletora de esgoto, eles devem esgotar, desinfetar e aterrar as fossas. Onde ainda não há rede coletora disponível, as fossas devem ser limpas periodicamente. Para isso, a Sanepar, Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e Poder Judiciário vão promover uma campanha para alertar sobre a limpeza, aterro e regularização de fossas sépticas.

?Esta é a segunda fase da campanha, agora voltada especialmente para os que ainda não têm a rede disponível ou, para quem já está ligado, mas ainda mantém a fossa aberta, o que contamina o lençol freático e, mais adiante a praia?, explica o presidente da Sanepar, Stênio Jacob.

A segunda fase da campanha da Sanepar no litoral terá dois objetivos básicos: orientar o dono do imóvel onde já existe rede disponível, para desativar a fossa séptica, e esclarecer àqueles que ainda não têm o serviço de coleta de esgoto, para que construam corretamente a fossa séptica e mantenham limpas as existentes.

Para todos os proprietários, serão dados os telefones de empresas credenciadas junto ao IAP e Sanepar que estão aptas a efetuar os serviços de limpeza. A lista também pode ser encontrada no site da Sanepar ? www.sanepar.com.br. Nos caminhões destas empresas estão fixados adesivos que informam sobre o credenciamento.

Embora a companhia seja responsável apenas pelo sistema de coleta e tratamento do esgoto instalado, para melhorar a balneabilidade das praias, a Sanepar está produzindo material educativo para mostrar a importância de a fossa ser construída de acordo com padrões técnicos, para que funcione sem prejudicar o meio ambiente. O dono do imóvel também vai ser orientado sobre a necessidade de manter a fossa limpa. O material educativo será entregue em todos os imóveis por onde a rede de esgoto ainda não passou,

Varredura

Para intensificar o trabalho de despoluição das praias do litoral, a Sanepar começou esta semana a Operação Varredura, em Guaratuba, com vistoria das ligações de esgoto e identificação de fossas ainda ativas.

A diretora de Meio Ambiente e Ação Social da Sanepar, Maria Arlete Rosa, informa que a varredura vai ocorrer na região da bacia do Rio Brejatuba, onde existe rede coletora há mais de 15 anos. ?Vamos repassar a vistoria nos imóveis para avaliar as condições e a qualidade das ligações, verificando se ainda existem fossas ativas. Isso porque é um local de muitas construções antigas que não passaram por reforma e podem estar contaminando o mar?, enfatizou Maria Arlete.