Brasília – A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) divulgou nesta quarta-feira (21) que o acordo de transporte que a BRA Transportes Aéreos firmou com a empresa OceanAir já atingiu mais de 70% dos passageiros prejudicados pela paralisação das atividades da companhia.

Em nota, a Anac atribuiu a informação às próprias empresas. Procuradas pela reportagem da Agência Brasil no início da noite, as assessorias de imprensa de ambas as companhias não confirmaram os dados, alegando que só poderiam fazer isso amanhã (22).

De acordo com a Anac, dos 75 mil clientes afetados pela suspensão dos vôos da BRA, a OceanAir já transportou cerca de 12.100 pessoas que haviam comprado passagens para vôos fretados (os chamados vôos charter).

Ainda segundo a agência, outras empresas aéreas teriam atendido a aproximadamente 5 mil passageiros de vôos regulares, endossando os bilhetes da BRA.

Vinte e cinco mil clientes solicitaram o reembolso dos gastos. A Anac, no entanto, não soube informar quantos já receberam a devolução.

A Anac também informou que a OceanAir está finalizando o planejamento de sua malha área para atender os passageiros de vôos regulares da BRA, devendo submetê-la à aprovação da agência nos próximos dias.

Após a BRA ter interrompido suas operações no último dia 7 e entregue aos seus 1,1 mil funcionários o aviso-prévio, a Anac passou a intermediar as negociações entre as duas empresas.

Para tentar minimizar os transtornos causados a quem tem passagens marcadas, o acordo estabeleceu que a BRA fretasse à OceanAir seis de suas dez aeronaves.

A OceanAir, por sua vez, assumiu a responsabilidade de transportar os passageiros da BRA que compraram pacotes turísticos da operadora PNX, que pertence a um dos fundadores da BRA, Humberto Folegatti.

Segundo a Anac, o acordo vem sendo cumprido com a utilização das aeronaves e da tripulação da BRA, mas a OceanAir está tendo de realizar vôos fretados para atender os usuários.

A própria Anac informou em sua nota que, das seis aeronaves da BRA, apenas dois Boeings 737/300 estão em condições de voar. As demais estão em manutenção.

Já quem pagou a passagem com cartão de crédito e optou ou não conseguiu viajar em outra companhia devem pedir diretamente à administradora do cartão o ressarcimento do valor ou o cancelamento das parcelas a vencer.

No último dia 9, a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) e a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) assumiram o compromisso de auxiliar os clientes da BRA que não conseguiram trocar seus bilhetes.