Manaus – O ministro de Relações Exteriores, Celso Amorim, defendeu ontem a segurança da Amazônia como prioridade para os países da região, durante a abertura da reunião de ministros de Relações Exteriores da Organização do Tratado de Cooperação Amazônica (OTCA). “A segurança da Amazônia é o objetivo fundamental do Tratado”, resumiu. Para ele, o principal problema da região é a biopirataria. Celso Amorim conta que um quarto das drogas farmacêuticas pirateadas do mundo vem da Amazônia, e, segundo ele, também são copiadas receitas e práticas populares locais.

O ministro defendeu, também, a criação de um centro que observe as condições da região Amazônica. Segundo ele, o país indicado para abrigar este local seria a França. “Assim, criaríamos uma ponte física entre a Europa e a América Latina”, explica. Celso Amorim mostrou-se a favor da associação do Mercosul com a Comunidade Andina. Assim, segundo ele, seria possível uma melhoria de transporte, energia e comunicação na área. “Todos os países andinos são amazônicos”, destaca. O ministro encerrou assegurando que serão criados instrumentos para incluir a Guiana e Suriname no processo de regionalização da América Latina.