Foto: Agência Senado

 Serraglio: "Genoino está enquadrado, minimamente, no crime de falsidade ideológica".

O relator da CPMI dos Correios, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR), está disposto a fazer um balanço geral das investigações na primeira quinzena de dezembro. Ele já identifica ex-dirigentes do PT que podem ter seus nomes denunciados ao Ministério Público para serem indiciados.

Segundo o relator da CPMI, o relatório que a comissão apresentará no fim do ano vai reunir os fatos que possam ser separados ou que já tiverem a investigação concluída. ?Vamos propor o indiciamento de quem quer que esteja envolvido. Todos os nomes serão encaminhados ao Ministério Público?, diz.

Serraglio afirma que foram identificadas várias pessoas, entre elas Sílvio Pereira, ex-secretário do PT, porém não revela como ele deverá ser tratado no relatório.

Marcos Valério e Delúbio Soares, lembra Serraglio, já foram incluídos no relatório parcial de Gustavo Fruet (PSDB-PR). Ele acrescenta à lista o nome de José Genoino, que vai ser citado por causa dos contratos com o BMG e Banco Rural, que não existiram. ?Era uma forma de canalizar dinheiro para o PT. Vamos supor que ele não sabia dos R$ 55 milhões, mas não pode negar os empréstimos que ele assinou como avalista. E como para mim eles não existem, Genoino está enquadrado, minimamente, no crime de falsidade ideológica?, afirma.

Outro petista a ser responsabilizado é Luiz Gushiken, pela participação da Secom na contratação da SMP&B nos Correios. Segundo Serraglio, pode ser até que a comissão vote pela exclusão de algumas coisas que possam vir a ser inseridas no texto, ?mas como relator sou obrigado a divulgar o que foi apurado?. Ele diz que relatório da Controladoria Geral da União indica que a Secom atuou para beneficiar a SMP&B na licitação dos Correios. ?O Pizzolato deixou claro que foi o Gushiken quem determinou que ele assinasse (autorização para a Visanet antecipar os pagamento para a DNA). Se isso não é verdade, não sou eu que vou desmentir o Pizzolato?, afirma. Gushiken, segundo Serraglio, pode responder por de fraude à licitação e, talvez, por improbidade administrativa.

O relator afirma que o ex-ministro José Dirceu eventualmente pode ser citado por corrupção. ?De um lado temos os deputados que foram beneficiados pelos saques nas contas do Marcos Valério e serão julgados pela Câmara. Mas não existe uma relação de corrupção em que só tenha o corrompido. Pelo que apuramos nos depoimentos, e não sou eu que vou desmenti-los, como os do Roberto Jefferson e do Emerson Palmieri, nada acontecia no governo ou no PT sem a aprovação da Casa Civil e de José Dirceu?, lembra.

O publicitário Duda Mendonça deverá ter seu indiciamento proposto por pelo menos dois crimes: evasão fiscal e sonegação fiscal. O relator diz também que tanto o ex-diretor de marketing do Banco do Brasil, Henrique Pizzolato, quanto Ivan Guimarães também devem ser citados nos relatórios. De acordo com Serraglio o presidente Lula não deve figurar entre os citados.

Os pedidos de indiciamento serão relatados ao Ministério Público, indicando as possíveis condutas tipificadas onde cada um poderá ter incidido. E o Ministério Público, diz o relator, é quem julgará procedente ou se precisará de mais investigação para dar encaminhamento.