São Paulo – O presidente do Sindicato dos Motoristas e Trabalhadores em Transporte Rodoviário Urbano de São Paulo, Edivaldo Santiago, teve a prisão preventiva decretada pela Justiça de Guarulhos, desta vez, em função do seu suposto envolvimento na morte do ex-presidente do Sindicato dos Motoristas de Guarulhos, Maurício Alves Cordeiro. Uma das testemunhas ouvidas pela equipe que investiga as denúncias de corrupção no sindicato, teria acusado Santiago de planejar o assassinato.

Santiago já está detido na Superintendência da Polícia Federal em São Paulo, devido a denúncias de recebimento de propina de empresários do setor de transportes para organizar greves. Na tarde de ontem, o último dos 17 diretores do sindicato acusados de envolvimento no esquema de corrupção entregou-se na Superintendência da Polícia Federal. José Valdevan de Jesus declarou-se inocente, mas, assim como os outros sindicalistas, ficará temporariamente detido para investigação da “força-tarefa” que analisa o caso.