São Paulo – O Sindicato dos Garimpeiros de Espigão D?Oeste, em Rondônia, afirmou ontem que pelo menos 20 pessoas estão reféns dos índios cintas-largas na reserva Roosevelt, onde 29 garimpeiros morreram na Semana Santa. A informação foi repassada por um homem que teria fugido do local, cuja identidade está sendo preservada. Segundo Gilton Monis Simões, delegado do sindicato, os garimpeiros são mantidos amarrados e ajudam os índios na extração de diamantes. “Não parou nada ainda. Está funcionando tudo no mesmo jeito”, diz Gilton. Os índios manteriam os reféns porque têm dificuldades em operar as máquinas utilizadas para a extração. O garimpeiro teria fugido na última quarta-feira e fez a denúncia ao sindicato. Ele também diz ter passado por mais nove corpos na estrada, a caminho de Espigão D?Oeste. Membros do sindicato tentam localizar o homem nos hospitais da região, já que ele chegou à cidade com malária e machucados nos pés.