A SuperVia, empresa que opera o sistema de trens do Rio, vai indenizar a família do vendedor ambulante Adílio Cabral dos Santos, de 33 anos, que foi atropelado por uma composição ao invadir a linha férrea, na altura da estação de Madureira (zona norte) há duas semanas. O valor da indenização não pode ser divulgado, diz a Defensoria Pública.

Imagens gravadas com um celular caíram nas redes sociais e mostravam funcionários da SuperVia autorizando a passagem de um outro trem sobre o corpo do ambulante, que já estava morto.

Na época, a SuperVia alegou que o espaço entre o trem e o trilho seria suficiente para que o corpo de Adílio não fosse danificado e que a interrupção do tráfego causaria transtornos aos passageiros. O caso é investigado pela 29ª Delegacia de Polícia, em Madureira.

O acordo foi firmado com a Defensoria Pública do Estado do Rio nesta quarta-feira, 12, após reunião, na sede da Defensoria, com a mãe e os irmãos da vítima, o defensor público-geral André Castro, os defensores do Núcleo de Defesa do Consumidor (Nudecon) da Defensoria Pública, a defensora do Núcleo de Madureira Andrea Mazza, o secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, e representantes da Supervia.

De acordo com o defensor público-geral André Castro, a solução extrajudicial vai agilizar o recebimento do dinheiro por parte da família, o que deve ocorrer em 10 dias úteis. O enterro de Cabral dos Santos já havia sido pago pela SuperVia.