Com o afastamento nesta semana da senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE), quase 20% do Senado será composto por suplentes. Dos 81 senadores, 15 não chegaram ao Congresso pelas urnas. O novo suplente Virgílio de Carvalho (PSC-SE) ficará no cargo por 120 dias, período de afastamento da senadora para tratamento de saúde.

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) retomou na terça-feira o debate das propostas para alterar a fórmula de indicação dos substitutos de senadores. Hoje eles são escolhidos pelos partidos ou pelos candidatos ao cargo e, não raro, a vaga é cedida aos financiadores de campanha ou a parentes.

O relator da proposta, senador Demóstenes Torres (DEM-GO), reconheceu que pontos de seu substitutivo, como o de proibir o abandono do mandato para ocupar cargos em ministérios ou no Executivo, não agradaram à maioria de seus colegas na comissão. Como não apareceu nenhuma proposta consensual, ele e o presidente da comissão, senador Marcos Maciel (DEM-PE), ficaram de buscar nas sete emendas apresentadas as que mais atendam às expectativas dos senadores.