Um vídeo que circula na internet mostra um estudante de 14 anos sendo agredido por um professor dentro da sala de aula, em uma escola pública do município de Maricá, região metropolitana do Rio de Janeiro. A agressão, ocorrida no Centro Integrado de Educação Pública (Ciep) 391 – Robson Mendonça Lôu, há cerca de um mês, foi registrada por alunos e divulgada no Youtube.

Nas imagens, gravadas por um celular, o professor de matemática Diogo Vasconcelos aparece correndo atrás do garoto pela classe, cercando-o contra uma parede, e desferindo alguns socos – aparentemente sem intensidade. Apesar do incidente ter sido no dia 10 de abril, somente na terça-feira, 7 de maio, a mãe do garoto, Kelly Cristina da Silva, decidiu prestar queixa, após ficar sabendo do fato por meio de vizinhos que viram o vídeo na internet.

De acordo com o delegado Henrique Mesquita Pessoa, titular da 82ª DP, onde o caso está sendo investigado, tudo indica se tratar de uma “brincadeira”. “O soco não tem intensidade. Evidentemente a atitude do professor é extremamente criticável, porque ele extrapolou as barreiras de uma eventual liberalidade que deveria ter com os alunos”.

Ainda na terça foram ouvidos os pais do garoto, o próprio estudante, e a diretora do Ciep, Helena Ferreira Vargas da Silva. A diretora afirmou em seu depoimento que Diogo Vasconcelos era um professor extremamente querido e brincalhão, mas que não conseguia estabelecer disciplina e era muito tolerante com os alunos – que já não o respeitavam mais.

Segundo o delegado, o aluno deverá passar por exame de corpo de delito, mas o laudo deverá vir negativo. “Ainda que houvesse a lesão, fatalmente já teria desaparecido, em decorrência do tempo”. O professor ainda não prestou depoimento. “É uma atitude criticável por parte do professor chegar a esse nível de relacionamento com os alunos, mas a rigor não parece que tenha havido realmente uma agressão”, disse o delegado.

Em nota, a Secretaria de Estado de Educação informou que foram tomadas todas as ações cabíveis em relação à agressão. “Foi aberta sindicância, o professor será transferido do colégio, os pais do estudante foram chamados à unidade escolar e o Conselho Tutelar foi comunicado oficialmente”.