Depois do segundo dia de paralisação, hoje, os alunos do campus da Universidade Estadual Paulista (Unesp) em Botucatu, a 232 quilômetros de São Paulo, decidiram retornar às aulas a partir de amanhã. Eles aceitaram a proposta da direção de se reunir na segunda-feira para discutir as reivindicações. Os estudantes querem a reativação do restaurante universitário da própria Unesp – o serviço foi terceirizado – e o subsídio das refeições para alunos carentes.

O Grupo Administrativo do Campus (GAC) informou que os quatro diretores da unidade – Faculdade de Ciências Agronômicas, Faculdade de Medicina, Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia e Instituto de Biociências – vão se reunir com dez representantes dos alunos para decidir sobre o encaminhamento das questões. Parte dos estudantes, no entanto, não abre mão de que a reunião seja aberta. Eles prometem fazer um “barulhaço” caso a participação seja restrita.

Hoje, o campus não teve aulas: alunos que haviam entrado em classe foram convencidos a aderir à paralisação. Apenas o sexto ano de Medicina não parou. Os estudantes fizeram a distribuição de panfletos nas unidades hospitalares – Hospital das Clínicas e Hospital Veterinário – e na rotatória de acesso ao campus. Amanhã, haverá atividades para alunos que estão em processo de reposição de aulas.