Rio

– Um vendedor autônomo, que disse estar sob ordens de uma entidade espírita, lançou um coquetel molotov contra a fachada do consulado norte-americano, no centro do Rio, ontem à tarde. O artefato estilhaçou uma vidraça e explodiu na calçada, sem ferir ninguém. André Luiz Lopes da Silva, de 35 anos, atacou ainda um furgão blindado da representação com uma barra de ferro. Ele foi imobilizado por seguranças particulares e levado para a 5.ª Delegacia de Polícia.

O ataque ocorreu às 14h20 e não chegou a provocar pânico entre os funcionários do consulado. Pelo sistema de alto-falante interno, a segurança orientou que ninguém saísse do prédio nem se aproximasse da janela. “Temos alarmes específicos para cada situação, como incêndio ou terrorismo. Como o sistema não foi acionado, ficamos tranqüilos”, comentou um funcionário, que não quis ser identificado.

Na delegacia, Silva contou que estava cumprindo uma missão recebida da “entidade espiritual” chamada Seu Antônio. “Ele estava ameaçando minha família”, disse. O vendedor exibia fotocópias de encartes de filmes americanos como A Isca, Olhos de Serpente, Código do Silêncio e o desenho animado Tarzan. “Dentro desses filmes existe uma pressão psicológica que trabalha dentro de você”, explicava.

Para o delegado Gilberto Ribeiro, Silva é perturbado. “Mas ele terá que provar isso na Justiça.”