Brasão da República foi um dos alvos
dos tiros dos traficantes.

Rio

– Traficantes dispararam rajadas de tiros no Palácio Guanabara na madrugada de ontem em reação a um plano frustrado de invasão do presídio de segurança máxima Bangu III e à repressão do governo estadual ao crime organizado. A governadora do Estado do Rio, Benedita da Silva, passou a manhã reunida com a cúpula de segurança estadual no Palácio Guanabara. “Não nos intimidarão”, afirmou Benedita. “Toda nossa estratégia é de inteligência, para que haja uma ação eficaz.”

Na madrugada de ontem um grupo armado atacou a tiros o Palácio Guanabara, em Laranjeiras, na zona sul da cidade, abrindo buracos na fachada do prédio histórico. Pouco antes, uma granada foi arremessada contra a entrada do Shopping Center Rio Sul, no vizinho bairro de Botafogo. A explosão danificou degraus do shopping, parte da calçada e fez um pequeno rasgo no reboco da marquise. Pela manhã, antes mesmo da reabertura do shopping, as marcas no teto já haviam sido reparadas.

Não houve vítimas nos dois incidentes. Entretanto, um policial morreu em um ataque dos bandidos em São Cristóvão, na zona norte do Rio. A violência atingiu também a Cidade Nova, no centro da capital, onde a Sexta Delegacia de Polícia foi atacada, também a tiros, por desconhecidos. A delegacia fica perto do Batalhão de Choque, onde estão presos traficantes que comandaram uma recente rebelião no presídio de Bangu I, incluindo Luis Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. Dois carros roubados, com inscrições relacionadas ao traficante “Linho”, inimigo de Beira-Mar, foram capturados, sem que tenha sido efetuada qualquer prisão.

Os policiais acreditam que o bando de Beira-Mar armou uma cena para incriminar o inimigo, que continua agindo em liberdade. A governadora Benedita da Silva anunciou que solicitará o reforço das tropas federais para o segundo turno das eleições presidenciais, no dia 27. Um homem foi preso como suspeito de coordenar os ataques. Benedita também disse acreditar que o objetivo dos ataques fosse desviar a atenção da Polícia e facilitar o resgate de presos em Bangu III.

O traficante Adriano Ferreira dos Santos, o Tiena, de 20 anos, confessou ter participado da tentativa de resgate de presos de Bangu III, na noite de terça no Complexo Penitenciário de Bangu, na Zona Oeste. A tentativa de invasão frustrada resultou numa rebelião de presos que durou 12 horas. Ele foi preso pela manhã, na favela de Mandela, em Manguinhos, por policiais da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF). Tiena disse à polícia que o resgate começou a ser planejado há 30 dias na favela da Rocinha e contou com 60 homens.

O traficante disse que o grupo planejava uma fuga em massa de presos ligados à facção Comando Vermelho, liderada por Fernandinho Beira-Mar. O plano se frustrou porque os explosivos que seriam usados para derrubar o muro que daria acesso à penitenciária não funcionaram. A polícia informou ainda que a facção está organizando outros planos de fuga. Tiena seria responsável por plano de resgate de presos em Bangu IV, que não foi posto em prática.