Três homens estão presos acusados pela morte de Douglas Clemente Ferreira, de 32 anos, brasileiro que era tenente no Exército de Portugal. Ferreira estava no Brasil havia seis meses, em licença médica, e foi morto em 7 de abril, após uma negociação em que compraria ouro em Curicica, na zona oeste do Rio. O corpo foi encontrado dois dias depois na favela do Rola, em Santa Cruz, na mesma região.

Um dos acusados é o policial militar Aldo Leonardo Ferrari, preso desde 10 de abril. Ele estava afastado do 31º Batalhão (Recreio dos Bandeirantes), em licença psiquiátrica. Também cumprem prisão temporária por 30 dias Maicon Douglas Santana Bonifácio, o Caco, e Vinícius Marinho de Oliveira.

Segundo a Divisão de Homicídios da Polícia Civil do Rio, o tenente foi com dois amigos encontrar Ferrari e Oliveira para comprar ouro, mas os dois não levaram a encomenda. Houve discussão e Ferreira se despediu dos amigos e foi com os dois supostos vendedores até uma casa onde estaria o ouro.

Na versão da polícia, Ferreira foi rendido nesse momento, no carro, e executado com quatro tiros na cabeça. Ferrari e Oliveira então teriam chamado Bonifácio. O trio trocou de carro, incendiou e abandonou o veículo, com o corpo dentro, na favela do Rola.