Brasília

– Um dia depois de castigar os deputados da esquerda, a tropa de choque do governo na Câmara admitiu que também trabalhará para enquadrar os rebeldes da base aliada, principalmente do PDT e do PC do B, na votação das reformas tributária e da Previdência.

O enquadramento começou na noite de anteontem, na seara petista, quando a bancada decidiu destituir da comissão especial da Previdência os deputados Lindberg Farias (RJ) e Luciana Genro (RS), além do deputado João Batista de Araújo (PA), o Babá, da comissão permanente de Seguridade Social. “O PT tomou uma posição para distensionar a base aliada e garantir a unidade nas votações das reformas”, afirmou o deputado Professor Luizinho (PT-SP), um dos integrantes da tropa de choque governista. Em conversas reservadas, interlocutores do presidente Luiz Inácio Lula da Silva comentam que não seria possível pedir apoio às reformas no Congresso sem uma atitude concreta em relação às vozes distoantes no PT.