A estudante de administração de empresas Cristiana Cupini, de 22 anos, morreu atingida por uma bala na cabeça em meio a uma intensa troca de tiros entre assaltantes e funcionários da transportadora de valores Prosegur na noite de ontem, em Porto Alegre. Seis pessoas ficaram feridas. O vigilante Ezequiel Pazzuti, de 32 anos, e o pedestre Alírio Oliveira Meireles, de 60 anos, foram liberados hoje. Outros três pedestres, Bruno Alves de Oliveira, de 23 anos, Luana da Silva Oliveira e Aline Centeno da Silva, ambas de 17 anos, e o vigilante Hugo César Cruz da Silva, de 40 anos, seguem internados no Hospital Cristo Redentor, em estado regular.

O ataque ocorreu no início da noite, quando os funcionários da transportadora de valores recolhiam para um carro-forte os malotes de dinheiro da agência do Unibanco na avenida Assis Brasil, a mais movimentada da zona norte de Porto Alegre. Disfarçado de gari, um dos assaltantes retirou um fuzil de seu carrinho e passou a disparar nos vigilantes, com cobertura de outros três, que desceram de um automóvel Scenic e também atiraram. De dentro do carro-forte e da agência, os responsáveis pelo transporte do dinheiro reagiram. O tiroteio foi intenso e colocou em risco a vida de dezenas de pessoas que caminhavam na calçada ou transitavam pela rua dentro de seus carros.

Segundo depoimentos de populares à polícia, Cristiana teria sido transformada em escudo humano e executada pelos assaltantes depois de sair de um caixa eletrônico. Os outros pedestres sofreram tiros de raspão. Os assaltantes fugiram sem levar nada e estão sendo procurados pela polícia. A estudante foi enterrada hoje no Cemitério Jardim da Paz.