Brasília

– A Polícia Federal trabalha com a hipótese de que o bicheiro João Arcanjo Ribeiro, preso na quinta-feira em Montevidéu, no Uruguai, seja transferido para o Brasil em no máximo um mês. Isto porque a Polícia Nacional do Uruguai está interessados em trocar Arcanjo por Adolfo Gil, criminoso uruguaio preso pela Polícia Federal, em Florianópolis. A PF aprova a troca. Só falta definir o instrumento jurídico que permitiria a rápida expulsão de Arcanjo do Uruguai. O mais provável é que, ao invés de ser extraditado, Arcanjo seja deportado, como aconteceu o traficante Luiz Fernando da Costa, Fernandinho Beira-Mar, quando foi preso na Colômbia, em 2001. Ontem pela manhã, Arcanjo voltou a prestar depoimento à Polícia Nacional. O interrogatório foi acompanhado pelo chefe da Interpol no Brasil, delegado Armando Possa. João Arcanjo, conhecido como o Comendador, é acusado de chefiar o crime organizado no Mato Grosso. Dono de um patrimônio de aproximadamente US$ 100 milhões, o bicheiro é acusado de homicídio, formação de quadrilha e sonegação fiscal, entre outros crimes.