A partir de setembro, o intervalo de aplicação entre a primeira e a segunda doses da Pfizer cairá dos atuais 90 dias para 21 dias, confirmou no sábado (14) o ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. A redução do prazo tem como objetivo frear os casos da variante Delta do novo coronavírus, mais contagiosa que as variantes anteriores.

LEIA TAMBÉM:

> Pfizer diz que terceira dose da vacina pode proteger mais contra a variante Delta

> Curitiba vacina apenas gestantes e mães de bebês recém-nascidos nesta segunda

> Terceira dose contra covid-19 já é aplicada em estudos; veja quem se beneficia do reforço

Segundo Queiroga, o governo apenas espera que toda a população adulta esteja vacinada para diminuir o intervalo para três semanas. Embora as aplicações em 90 dias ajudem a aumentar a eficácia da vacina, segundo estudos internacionais, o prazo original determinado pelo fabricante da Pfizer é 21 dias. As informações são da Agência Brasil.

“À medida que a gente avance na primeira dose, já se rediscutiu colocar a Pfizer no intervalo de 21 dias. [A previsão é] em setembro. Nós já temos 70% da população acima de 18 anos com a primeira dose”, disse o ministro, em Brasília.

Web Stories

Estreias!

Conheça a história do antigo Condomínio Serra do Mar,, agora Condomínio das Flores

Empreendedorismo

Empresário de Curitiba cria lanche inovador, sucesso nas feiras

Amores Verdadeiros

Nikki fica surpresa ao ver Gusmão chamar Paula de mãe

Destaques da semana

Filme com Jason Momoa chega nesta semana na Netflix; confira todos os destaques