Depois de votações de projetos de lei com grande repercussão na cidade, como o Plano Municipal de Educação e a proibição ao aplicativo Uber, os vereadores de São Paulo decidiram suspender as discussões de novas leis na sessão desta quarta, 16, e usar o horário para prestar uma homenagem à guardas-civis metropolitanos.

Em pleno meio da tarde, 70 guardas foram receber a “Medalha Jânio Quadros”, uma homenagem prestada agentes que se destacam em ações específicas.

Para isso, muito deles foram à Câmara com as viaturas oficiais da GCM. E alguns deles estacionaram em locais proibidos.

Parte dos vereadores disse ter sido “surpreendida” pela homenagem – uma pauta de votações teria sido apresentada para aquela tarde, antes do cancelamento da sessão. Outros vereadores disseram não terem visto problema com a medida. A pauta da sessão ordinária desta quarta-feira, 16, tem 509 projetos esperando decisão dos vereadores. Cada dia de funcionamento do Legislativo paulistano custa R$ 1,5 milhão, em média.

A reportagem questionou a Mesa Diretora da Casa sobre o caso, que por meio de nota disse que “a sessão em homenagem à GCM, por meio de entrega da medalha Jânio Quadros, foi estabelecida pela Resolução Nº 02 DE 14 DE MAIO DE 2014 (PROJETO DE RESOLUÇÃO Nº 33/13)(VEREADORES CORONEL TELHADA – PSDB E JOSÉ AMÉRICO – PT) e dispõe sobre a criação da Medalha Jânio Quadros e o respectivo Diploma da Medalha a serem concedidos aos guardas civis metropolitanos que se destacarem em ações benéficas aos munícipes da cidade de São Paulo, às personalidades civis e aos militares da sociedade paulistana, e dá outras providências. Art. 1º Ficam criadas as honrarias Medalha Jânio Quadros e o respectivo Diploma da Medalha a serem concedidos, anualmente, pela Câmara Municipal de São Paulo, em sessão solene a ser convocada pelo Presidente, realizada no dia 15 de setembro ou dia útil imediatamente posterior, aos guardas civis metropolitanos que mais se destacarem em ações benéficas à população paulista, às personalidades civis e aos militares da sociedade paulistana.(?) E quanto ao desconhecimento alegado por tais vereadores em anonimato, segue cópia do documento de desconvocação de Sessão Plenária para o dia 15 de setembro, que foi lido, aprovado e assinado por 28 vereadores no dia 10 de setembro.”