A carreira política de Clodovil Hernandes, que teve morte cerebral confirmada no meio da tarde desta terça-feira (17) e sofreu uma parada cardíaca às 18h50, começou em 2006, quando se elegeu deputado federal pelo Partido Trabalhista Cristão (PTC). Ele foi o terceiro parlamentar mais votado em São Paulo. Em setembro de 2007 trocou de partido e filiou-se ao Partido da República (PR).

Em 2007 se envolveu em uma polêmica no Congresso, após discutir com a deputada Cida Diogo, do PT do Rio de Janeiro. A discussão iniciou por conta das declarações de Clodovil de que “as mulheres ficaram muito ordinárias, ficaram vulgares, cheias de silicone” e ainda que “as mulheres trabalham deitadas e descansam em pé”. Ao ser questionado pela deputada quanto à declaração, respondeu: “Digamos que uma moça bonita se ofendesse porque ela pode se prostituir. Não é o seu caso. A senhora é uma mulher feia”.

Em sua atuação na Câmara, Clodovil apresentou, entre outros projetos, uma proposta de mudança na Constituição Federal para reduzir o número de deputados de 513 para 250, além de uma proposta que visa restringir a exibição de imagens violentas na TV nos horários das refeições.

O deputado também pretendia instituir o dia 8 de maio como o “Dia Nacional do Turismo” e conferir a Alberto Santos Dumont o título de “Pai do Turismo Brasileiro”. Outro projeto tinha o intuito de garantir ao dublador de obra audiovisual a menção de seu nome ou sinal nos créditos da obra e o direito de participar dos resultados de exibição.