Brasília – A cúpula do PT deve decidir o tipo de punição que pode ser aplicada ao deputado Virgílio Guimarães (MG) no próximo dia 28, por ele ter descumprido orientação do partido para apoiar o deputado Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) à presidência da Câmara, lançando candidatura avulsa e fazendo o governo amargar a maior derrota política. A penalidade, porém, deverá ser aplicada somente depois do dia 19 de março. É que o PT marcou para esta data a comemoração de seus 25 anos – completados no dia 10 – justamente em Belo Horizonte (MG), reduto político de Virgílio.

"O caso Virgílio não pode ficar impune. Eu sou presidente de um partido, e não de uma legenda que acomoda carreiras individuais de todos os tipos e onde cada um faz o que quer", afirmou o presidente do PT, José Genoino. Sua reação é uma resposta a críticas recebidas de todos os lados depois da crise que se instalou no partido.

O ministro da Educação, Tarso Genro, foi um dos que engrossaram o coro contra a forma como Genoino quer conduzir a discussão sobre os rumos do PT diante da sucessão de erros dos últimos tempos – da derrota nas eleições municipais em capitais importantes, como São Paulo e Porto Alegre, à perda dos postos de comando na Câmara.

Magoado

Um dia depois da derrota governista na Câmara, Tarso disse que Genoino precisa conduzir o debate na bancada petista "olhando como presidente do PT, e não como presidente do partido do governo". A declaração magoou Genoino, que não se cansa de repetir que o PT é "a espinha dorsal do governo". "Não é só Genoino que defende a punição de Virgílio. O sentimento majoritário, tanto na direção como na base do PT, é de que o deputado deve responder pelos seus atos", observou Sílvio Pereira, secretário-geral do PT. Na sua avaliação, ao ignorar a orientação do partido – que fechou questão em torno da candidatura de Greenhalgh -, Virgílio "contribuiu para o caos partidário" na Câmara. "Ele foi usado por nossos adversários para prejudicar o PT e o governo", comentou.

O tipo de punição a Virgílio divide os petistas, mas é provável que ele seja suspenso das atividades da bancada – perdendo direito a cargos em comissões da Câmara – por período ainda não definido. A tendência é que a executiva do PT encaminhe a proposta de punição ao diretório nacional, que deve se reunir apenas nos dias 8 e 9 de abril – depois, portanto, da comemoração dos 25 anos do partido. A penalidade pode ser aplicada tanto por rito sumário, sem direito a defesa, como pela comissão de ética. Neste caso, o processo pode demorar até 90 dias.