O vôo JJ 3054, de Porto Alegre para São Paulo, seria o último a ser realizado pelo Airbus A320 da TAM que se acidentou em Congonhas, na zona sul de São Paulo, no último dia 17 de julho, antes de seguir para a manutenção. A informação foi dada nesta terça-feira (7) pelo vice-presidente da TAM, Paulo Castelo Branco, durante reunião da comissão criada na Câmara Municipal para investigar os problemas nos aeroportos.

O executivo afirmou que o jato iria pernoitar em Congonhas, onde seria feita a manutenção no hangar da empresa, no dia seguinte. No entanto, o vice-presidente da TAM não soube informar quais seriam os problemas apresentados pelo avião que exigiriam uma manutenção mais detalhada. O vereador José Rogério Farhat (PTB), que preside a comissão, solicitou que seja encaminhada à Câmara a lista de itens que deveriam ser revistos na aeronave. O Airbus A320 tinha sido checado por mecânicos no Aeroporto Internacional Salgado Filho, em Porto Alegre.

A assessoria de imprensa da companhia confirmou hoje que a empresa americana BMS, que está trabalhando desde domingo no que sobrou do prédio da TAM Express, é a mesma que atuou nos escombros das torres gêmeas do World Trade Center. De acordo com o órgão, todos os objetos pertencentes às vítimas estão sendo levados para um determinado local, cujo endereço não será fornecido para evitar tumultos e aglomerações. Somente depois de feita a triagem, os familiares serão chamados para recolher os pertences.