São Paulo – O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, atribuiu “a questões regionais” o racha da bancada do PSDB na Câmara dos Deputados na votação ao projeto da reforma tributária. “Não é uma questão ideológica”, afirmou o governador. Dos 55 deputados da bancada federal, 24 votaram a favor do projeto do governo Lula, 26 foram contrários e cinco se ausentaram. “É natural que não haja unanimidade porque têm muitas questões regionais em jogo”, disse o governador na manhã de ontem, após participar de um encontro estadual do PFL na cidade de São Paulo. “A reforma tributária não deve servir de parâmetro.

Não pode ser queda de braço. Deve ser um esforço para o melhor texto possível ou para evitar o pior”, disse Alckmin. Ao ser indagado se o PSDB deveria liberar o voto no Senado já que a questão não seria ideológica, disse que “depende do texto” que será posto em votação. Mas defendeu, em seguida, uma posição única do partido. Muito aplaudido e assediado por militantes do PFL, Alckmin participou da reunião do PFL estadual, destacando a importância do PSDB e PFL se manterem unidos nas eleições municipais de 2004. “