O presidente da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), Milton Zuanazzi, disse nesta quarta-feira (25) que a falta de infra-estrutura e as malhas integradas são os principais problemas da crise aérea no País. "Esses problemas já foram documentados nessa Casa. Nós (da Anac) repetimos como se estivéssemos batendo na mesma tecla", afirmou, durante declaração na CPI da Crise Aérea, na Câmara Federal, em Brasília.

Segundo ele, a Anac está tentando desafogar o movimento do Aeroporto de Congonhas, já que ele não tem espaço para ampliação. "Nós já estamos fazendo isso. Só não podemos diminuir mais porque não tem mais para onde levar os vôos alternados. Em São Paulo não há ociosidade", afirmou.

O presidente da Anac disse que Congonhas precisava de um estudo de demanda, para apontar as necessidades dos aeroportos da cidade. "A necessidade de um novo aeroporto em São Paulo não é de longo prazo, mas sim de médio prazo. E estudos já estão sendo feitos em colaboração com a Infraero", ressaltou.

As malhas integradas das companhias aéreas também foram apontadas como coadjuvantes do caos aéreo brasileiro. "As malhas integradas são frutos dos tempos recentes, uma realidade no mundo. Estamos admitindo que elas causam transtornos aos passageiros", afirmou.

Zuanazzi disse que a Agência tem limitações para agir e que está recebendo críticas injustas. " É impossível respondermos às questões que não estão nas nossas competências. Estamos cumprindo o nosso papel dentro da lei", disse.