O brasileiro Claúdio Roberto Souza deixou o Estádio Olímpico lamentando o vento contra (de 1.4 m/s) que soprou na hora da sua série dos 100 metros. Claudinho foi o primeiro brasileiro a correr, neste sábado, na 10ª edição do Mundial de Atletismo de Helsinque, na Finlândia. "Estava acompanhando a prova lá dentro e a minha foi a única série com esse vento todo negativo. Talvez pudesse ter entrado por tempo, nas quartas-de-final…", disse Claudinho, ainda na zona mista onde os atletas conversam com os jornalistas na saída da pista.

O velocista foi o quinto na série 8, com 10s55. O tempo mais rápido dentre os corredores das oito séries foi do norte-americano Leonard Scott (10s12). O campeão olímpico Justin Gatlin (EUA) fez 10s16, e o campeão mundial de 2003, Kim Collins de St. Kitts e Nevis, correu a prova em 10s31. Claudinho só ficou aliviado por não ter sentido dor na perna – recupera-se de uma contusão no músculo posterior da coxa direita.

"Agora é se preparar para o revezamento 4 x 100 m", disse o velocista, lamentando os problemas que a equipe de velocistas do Brasil está enfrentando neste Mundial – em Paris, em 2003, o Brasil ficou em terceiro, mas acabou herdando a medalha de prata da equipe inglesa, punida por doping. "O Bruno Pacheco teve torcicolo e não fez todos os treinos com o grupo, o Vicente Lenílson se machucou e teve de voltar ao Brasil, eu venho de contusão… O André vai correr os 200 m, eu corri os 100 m… quer dizer que não dará mais para ficarmos treinando o revezamento. Dessa vez não estamos afiados, vamos na sorte e na experiência."

A qualificação do revezamento 4 x 100 m será apenas na sexta-feira.

Neste domingo, o Brasil terá quatro mulheres competindo no Estádio Olímpico, em provas classificatórias: Lucimar Teodoro e Laura Almirão, nos 400 m, Lucimar Moura, nos 100 m e Fabiana Murer, no salto com vara.