Brasília ? Os brasileiros que estão fora do país são o maior desafio da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) e das companhias aéreas diante do cancelamento de vôos da Varig. Segundo estimativa da agência, há 28 mil passageiros fora do país com passagens da empresa até o dia 30 de junho. Hoje (22), do total de 2.963 passageiros com bilhetes da Varig que estariam voltando, 60 deles estão em Nova York sem conseguir lugares em vôos de outras companhias aéreas.

Enquanto em outros lugares, a Varig paga hospedagem e alimentação, mas, nos Estados Unidos, o caso é crítico porque a legislação de concorrência não permite o pagamento de benefícios para passageiros que deixam de embarcar. Segundo o presidente da Agência Nacional de Aviação Civil, Milton Zuanazzi, o governo brasileiro, por meio do Itamaraty, está buscando alternativas para não deixar brasileiros sem opções.

"Por exemplo, passageiros que vêm de outros lugares dos Estados Unidos, e passam por Nova York para vir para cá, então ocorre que a Varig não paga a hospedagem por causa de um regramento norte-americano", explicou Zuanazzi em referência às pessoas que têm seus vôos cancelados.