A disputa pela presidência do diretório nacional do PT, em segundo turno, já tem um nome definido: o deputado federal Ricardo Berzoini (Campo Majoritário), ex-ministro do Trabalho e secretário-geral do partido. A parcial publicada ontem apontava tênue diferença entre Valter Pomar (Articulação de Esquerda) e Raul Pont (Democracia Socialista), no segundo lugar.

Um dos dois deve enfrentar Berzoini no segundo turno, mas a indicação sairá apenas quando o último voto for contado. O Campo Majoritário revela que o melhor é ter Raul Pont na disputa. A razão é o ex-prefeito de Porto Alegre não ser tão drástico quanto Valter Pomar ao apregoar mudanças no governo.

De todo modo, a direção nacional do PT deverá ceder espaço considerável às tendências da esquerda socialista na arrumação interna das forças que comandam o partido. O próprio Berzoini reconhece isso e promete empenhar-se por mudanças na política econômica e maior agressividade dos projetos sociais.

Berzoini tinha ontem 42,5% do total da apuração e os quatro candidatos do bloco socialista (Pomar, Pont, Plínio e Maria do Rosário), 55,5%. Se a esquerda se unir em torno do segundo colocado, é possível derrotar o Campo Majoritário. O partido passa por um período crítico e a pegada histórica da militância exauriu-se naturalmente sob o intenso fogo das acusações contra José Dirceu e companhia.

O Campo Majoritário tem de brigar muito para manter a posição de comando.