O presidente da Câmara, deputado João Paulo (PT-SP), afirmou, há pouco, que a Casa deverá concluir hoje a votação em primeiro turno da reforma tributária, para que na quarta-feira da próxima semana seja iniciada a votação em segundo turno da matéria. Ele considerou prejudicial a aprovação, na noite de ontem, do destaque do PFL que retirou da reforma tributária a progressividade do chamado imposto sobre heranças, que iria de
4% a 15%.

Segundo ele, quem perde com isso é o Brasil, embora considere que a aprovação do dispositivo não seja uma coisa determinante no orçamento da União. Afirmou que a aprovação “não é só ruim para o governo mas para a sociedade”. Mesmo assim, João Paulo Cunha garantiu que não mexerá na pilastra central da reforma tributária. Em relação à tentativa de acordo com o PFL, ele salientou que fez de tudo para firmar o acordo, mas isso não foi possivel.