Quem tem mais de 60 anos deve procurar, a partir da próxima semana, qualquer posto ou serviço de saúde para receber a vacina contra a gripe. Na segunda-feira (25), o governo federal inicia a sexta edição da Campanha Nacional de Vacinação do Idoso. Os idosos poderão também atualizar o cartão de vacinação recebendo imunização contra tétano, difteria e febre amarela.

A meta do governo federal é vacinar pelo menos 10 milhões de idosos até 6 de maio, último dia da campanha. Esse número representa 70% da população com mais de 60 anos. "Os idosos quando têm problemas pulmonares ficam mais debilitados e necessitam de atenção especial. Com essa vacina podemos reduzir as hospitalizações por complicações decorrentes da gripe. Até mesmo as doenças cardiovasculares ficam em menor incidência, com menos gravidade, nos idosos que recebem a vacina", disse a coordenadora do Programa Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, Luiza de Marilac.

De acordo com Luiza, as secretarias estaduais e municipais de Saúde montaram unidades móveis de vacinação. "As secretarias municipais de Saúde têm sua estratégia para fazer a campanha de vacinação fluir da melhor maneira possível, mas é importante os idosos não deixarem para a última hora", afirmou.

Para convocar a população, começa a ser veiculada hoje (20) uma campanha publicitária com o slogan "O importante é ter saúde. Vacine-se contra a gripe." Nos vídeos para a TV, o cantor Jair Rodrigues contracena com a filha, a cantora Luciana Melo. A idéia é estimular filhos e netos a acompanharem os idosos aos postos de vacinação. Foram produzidos também 3,5 milhões de folhetos, 500 mil cartazes, 1.000 outdoors e uma gravação para rádio. No total, foram gastos R$ 5 milhões na campanha publicitária.

A campanha contará com a participação de 231 mil pessoas, entre profissionais do Sistema Único de Saúde (SUS) e voluntários, que vão trabalhar em 61,5 mil postos de vacinação. No apoio, 32,2 mil veículos, inclusive aeronaves, barcos e bicicletas, que serão utilizados na região Norte do país. O Ministério da Saúde investiu R$ 223,1 milhões em toda a campanha deste ano com a compra de vacinas, publicidade e repasse de recursos para ações de mobilização nos municípios.