Profissionais do Viva Rio e Instituto sou da Paz, em caravana por 15 capitais brasileiras desde julho, chegam à Curitiba e Belo Horizonte, simultaneamente, nos dias 14 e 15, para capacitar igrejas, redes religiosas, ONGs e movimentos sociais sobre as temáticas controle de armas e melhoria da polícia. O objetivo da caravana é engajar estas instituições nas ações referentes às questões de segurança pública que atingem o país e incluir os diversos setores da sociedade, integrados com o poder público, na construção de uma comunidade segura.

No primeiro dia em cada cidade, serão realizadas as oficinas ?Campanha Cumpra-se o Estatuto de Desarmamento? e ?Segurança Pública e Desenvolvimento Institucional da Polícia?. No dia seguinte, as equipes irão conhecer projetos sociais e boas práticas desenvolvidas nos municípios.

?No Brasil, urge a necessidade de políticas públicas integradas sobre segurança pública e uma interlocução afinada entre sociedade civil e polícias. Enquanto a sociedade não valorizar o tema, buscando entender os principais problemas e as propostas na melhoria da segurança, ele nunca se tornará prioridade?, explica André Porto, coordenador da caravana.

A iniciativa do Viva Rio tenta promover um modelo alternativo de segurança pública e leva para o resto do país a experiência da Polícia Militar do Rio de Janeiro (PMERJ) que promoveu, em parceria com a ONG, o seminário ?A Polícia Que Queremos? em que policiais e sociedade civil elaboraram um documento com propostas de melhorias para a polícia e entregaram para os candidatos ao governo do estado do Rio.

O termo Comunidade Segura, que dá nome à caravana, provém do conceito Segurança Humana promovido pela ONU que aponta na direção do desenvolvimento, respeito aos direitos humanos e fortalecimento do indivíduo e sua proteção.