Rio ? O crescimento de 3,1% na produção da indústria brasileira, em 2005, foi sustentado pelo aumento na produção de bens de consumo duráveis (11,4%), segundo a Pesquisa Industrial Mensal divulgada hoje (07) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). As produções que mais cresceram foram as de automóveis (13,1%), telefones celulares (43,9%) e televisores (23,1%).

O segmento de bens de consumo semiduráveis e não-duráveis (roupas, calçados, alimentos, bebidas e remédios) avançou 4,7%, superando a média da indústria, o que, segundo o IBGE, não acontecia desde 1999. O segmento de bens de capital (máquinas e equipamentos) também cresceu acima da média da indústria (3,6%).

"Este resultado significa expansão do investimento, principalmente em áreas fora da indústria, como a produção de equipamentos para energia elétrica, transporte e construção, o que reflete a confiança do empresário em realizar novos investimentos", avaliou Sílvio Salles, chefe da Coordenação de Indústria do IBGE.