Foi adiada para a próxima semana a votação, na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, do projeto de lei que endurece o regime de segurança máxima aplicado a presos envolvidos com organizações criminosas. Pela proposta, que não foi votada hoje, o preso pode ser submetido ao regime disciplinar diferenciado por 720 dias – hoje são 360 dias.

O projeto é de autoria do senador Demósthenes Torres (PFL-GO) e integra o pacote de segurança lançado ano passado como reação às ações criminosas do Primeiro Comando da Capital (PCC) que pararam a cidade de São Paulo.