A partir desta semana, os agricultores familiares e assentados da reforma agrária que estiverem inadimplentes por causa de operações coletivas de crédito, realizadas durante os anos de 2000, 2001 e 2002, podem procurar as instituições financeiras para renegociar suas dívidas. O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu na última quinta-feira (27) pela individualização das dívidas, o que vai permitir que os agricultores familiares interessados paguem 20% do saldo devedor e, em prazo de seis meses, quitem a dívida com o banco.

O gerente do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), Adoniran Sanches Peraci, explicou que o objetivo da medida é beneficiar os agricultores pagantes com novos créditos e ainda diminuir a inadimplência. ?O benefício mais importante é permitir que o agricultor pagante possa acessar um novo crédito mesmo antes de quitar as dívidas, o que favorece a safra nesse momento em que se inicia o calendário agrícola?, disse ele.

Antes dessa decisão do CMN, mesmo com os valores pessoais pagos, todos os participantes de um compromisso coletivo eram avalistas do resto do grupo e também ficavam responsáveis pela dívida coletiva. A mudança não é automática. Agricultores interressados em renegociar as dívidas e se desvincular do contrato coletivo devem procurar as intituições financeiras até o dia 31 de maio de 2006 para não perder a condição de juros subsidiados e rebate.