Foto por: Christophe Simon

Dezessete chefes de Estado africanos, membros das famílias reais espanhola e holandesa, assim como diversos artistas assistirão à final da Copa do Mundo em Johannesburgo, anunciou neste sábado a Federação Internacional de Futebol (Fifa).

O príncipe herdeiro da Espanha, Felipe, e sua esposa Letizia assistirão junto com a rainha Sofia à cerimônia de encerramento e à final da Copa, entre Holanda e Espanha, no estádio Soccer City de Johannesburgo.

Pelo lado holandês, o primeiro-ministro Jan Pieter Balkenende, assim como o príncipe Willem-Alexander e sua mulher, a argentina Máxima, planejam incentivar a seleção holandesa, que busca seu primeiro título na história.

Entre os membros da realeza também estarão presentes o príncipe Albert de Mônaco e sua noiva, a sul-africana Charlene Wittstock.

O tenor espanhol Plácido Domingo, o tenista espanhol Rafael Nadal, o ex-capitão da França Marcel Desailly, a lenda camaronesa Roger Milla e o presidente da Uefa, Michel Platini, recuperado de um desmaio que sofreu na madrugada de sábado, também reservaram seus lugares no estádio de Soweto.

O primeiro presidente negro da África do Sul, Nelson Mandela, muito debilitado, decidirá no último momento sua presença. O prêmio Nobel da Paz pretendia assistir à abertura da Copa, no dia 11 de junho, mas a morte de uma bisneta na véspera o fez voltar atrás.

Já o presidente Lula, que em um primeiro momento havia dito que assistiria à final, desistiu devido à necessidade de voltar ao Brasil após as inundações que castigaram o nordeste do país.

Entre os chefes de Estado africanos que estarão presentes figuram Jacob Zuma, da África do Sul, Robert Mugabe, do Zimbábue, Ali Bongo Ondimba, do Gabão, e Blaise Compaoré, de Burkina Faso.