Pedro Ugarte/AFP

A seleção do Chile voltará na quarta-feira para Santiago depois de ter seu sonho nesta Copa do Mundo interrompido pelo Brasil com três gols, mas sua campanha na África do Sul recebeu elogios de seus rivais e os chilenos ficaram satisfeitos com o trabalho do técnico Marcelo Bielsa.

O técnico argentino declarou que, assim como tinha sido justa a classificação para as oitavas de final, “a eliminação também é justa”, após a derrota por 3-0 para o Brasil na segunda-feira.

Não se sabe qual será o destino de Bielsa, mas a Federação de Futebol do Chile já indicou que quer convencê-lo a renovar seu contrato para os próximos desafios da ‘Roja’: a Copa Bicentenário no México este ano, a Copa América na Argentina em 2011 e as eliminatórias para a Copa do Mundo do Brasil-2014, que começarão no final do ano que vem.

Assim como o balanço do treinador foi positivo, o mesmo aconteceu com seus comandados, que estavam entre os jogadores mais jovens do Mundial.

O desempenho do Chile foi elogiado pelo técnico da Espanha, Vicente del Bosque, por Dunga e pelo treinador da Suíça, o alemão Ottmar Hitzfeld, entre outros.

“Foi uma partida excelente, o Chile jogou de maneira excepcional”, disse o treinador brasileiro.

Embora os jogadores chilenos tivessem a ambição de ficar entre os quatro melhores do mundo, todos sabiam que essa pretensão era quase impossível. Eles tinham pela frente o Brasil, carrasco nas oitavas da Copa da França-1998 (4-1), última participação chilena em uma Copa.

Na África do Sul ficou evidente a habilidade de jogadores jovens como o atacante Alexis Sánchez, o zagueiro Gary Medel e o volante Carlos Carmona, mas aquele que deveria ser o destaque da equipe, Humberto Suazo, deixou dúvidas, pois não esteve em sua melhor condição devido a lesões sofridas antes do Mundial.

A ‘Roja’ repetiu na África do Sul o resultado da França-1998, mas desta vez com um futebol mais convincente e resultados superiores, chegando a disputar a liderança do grupo H com uma das grandes favoritas ao título, a Espanha.

Terminada a Copa para o Chile, resta aos dirigentes chilenos tentar persuadir Bielsa a continuar com eles, mas o técnico disse depois da derrota para o Brasil que seu futuro “é uma coisa que não é o momento de avaliar”.