Um tribunal chinês condenou nesta quinta-feira (31) o correspondente em Hong Kong do jornal Straits Times, de Cingapura, a 5 anos de prisão por espionagem, em meio a uma onda de repressão do governo que levou dezenas de jornalistas para a prisão.

A condenação de Ching Cheong ocorreu uma semana após um pesquisador do New York Times ser inocentado das acusações de espionagem, mas sentenciado a 3 anos de prisão por fraude.

Ching foi detido em abril de 2005 durante uma visita à província chinesa de Guangdong, privado de seus direitos políticos e teve seus bens, no valor de US$ 37.700, confiscados, informou a agência estatal Nova China.

Funcionários chineses acusaram Ching de comprar informações e passá-las ao serviço de inteligência de Taiwan por um período de cinco anos – de meados de 2000 até março de 2005. Taiwan, para onde fugiram os nacionalistas de Chiang Kai-chek após serem derrotados na revolução comunista em 1949, é considerada por Pequim como uma província rebelde.

Segundo a Nova China, Ching recebeu cerca de US$ 38 mil de uma fundação de Taiwan, que não foi identificada, mas foi descrita como uma fachada do serviço secreto taiwanês.