O presidente da Câmara, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP), afirmou hoje que o bloqueio de verbas do Poder Legislativo pelo governo não vai afetar o aumento salarial dos parlamentares. "A reposição das perdas da inflação já era para ter acontecido no fim da legislatura passada. Portanto, eu avalio que há previsão orçamentária", afirmou Chinaglia, em entrevista.

O Congresso discute um aumento de salário dos deputados e senadores, dos atuais R$ 12.847,20 para R$ 16.250,42, o que representará 26% de reajuste referentes ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de quatro anos. Uma das possibilidade, de acordo com o deputado, é a de que haja um remanejamento de verbas no Orçamento da Câmara para arcar com reajuste dos deputados. Ele reafirmou que qualquer que seja a decisão final sobre o reajuste dos parlamentares, será feita de forma transparente, com os votos do plenário. Hoje, o reajuste já foi aprovado na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara.

Segundo Chinaglia, o bloqueio da verba poderá afetar obras previstas para a Câmara. "O maior problema aqui é o espaço físico, entre outros. Portanto, cogito fazer ou construções ou reformas, e isso (o bloqueio de verba) pode afetar. Mas não tive condições objetivas de fazer essa análise ainda", disse o deputado.