A campanha do deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP) ganha os gabinetes dos deputados nesta semana prometendo solução para os salários dos parlamentares. Na carta-compromisso que será entregue a todos os deputados, Chinaglia não falará de valores, mas lançará o debate na Câmara para ser resolvido no início de seu mand.ato, caso seja o presidente derrotando o candidato Aldo Rebelo (PCdoB-SP)

"Essa pauta vai ser debatida e resolvida sem temor. Estou tranqüilo inclusive para defender a equiparação salarial", disse Chinaglia. "Não vou fugir desse assunto. Vamos resolvê-lo de maneira breve, se eu vier a ser o presidente da Câmara. Vou fazer um debate aberto", continuou. No mês passado, em reunião dos presidentes da Câmara e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL) com líderes partidários, o petista defendeu a equiparação salarial dos parlamentares aos vencimentos dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), o que elevaria o salário atual de R$ 12.847 para R$ 24.500. O reajuste de 90,7% acabou derrubado pelos ministros do STF

"Não posso dar as costas para a sociedade, mas se a construção do debate na Câmara levar à equiparação (com o salário do ministro do Supremo) eu a defenderei", disse Chinaglia. Ele considerou a condução política do debate em dezembro "um desastre" e argumentou que, com a decisão do Supremo, o conjunto de deputados não teve sequer a reposição da inflação dos últimos quatro anos.