As chuvas de sábado, domingo e parte da segunda-feira em quase todo o Paraná animaram um pouco os produtores, sobretudo das regiões sudoeste e oeste do Estado, as mais atingidas pela longa estiagem, mas não acabaram com as perspectivas de grandes perdas. Levantamento do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado da Agricultura, aponta que os prejuízos devem chegar a cerca de R$ 1,1 bilhão na safra de verão 2004/2005.

De acordo com o diretor da Divisão de Conjuntura do Deral, Luiz Roberto Souza, "o produtor sempre vai bendizer a chuva, mas precisa ver cada situação". A chuva também não foi generalizada. Para ter uma visão global, a secretaria determinou que todas as regionais façam um levantamento município a município, que deve ficar pronto até a próxima terça-feira.

Para Souza, pelo menos em metade das regiões com deficiência mais crônica as chuvas amenizaram o problema. A ajuda emergencial prometida pelo governo do Estado, entre elas técnicos para perfurar poços artesianos, continua. Afinal, apesar de ter sido a maior precipitação de chuvas dos dois últimos meses em alguns locais, não foi suficiente para fazer com que os rios, poços e nascentes voltem aos níveis normais. Alguns município Lindoeste e Corbélia, continuam sendo abastecidas com caminhões-pipa.

Os produtores que estavam plantando ou que vão iniciar o plantio do milho safrinha podem ser beneficiados com a chuva do fim de semana. Mas a recomendação da secretaria é a mesma para os demais agricultores: que eles procurem o técnico agrícola para um estudo de cada situação e ver se vale a pena investir. A frente fria que atingiu o Estado já se dissipou e o sol voltou a brilhar em todas as regiões, embora haja previsão de pancadas esparsas de chuva.