A forte chuva ocorrida no Rio na noite de ontem (21) deixou sem energia elétrica pelo menos 250 mil moradores na capital fluminense. Também ficaram às escuras municípios da região dos Lagos, além de Angra dos Reis (no sul do Estado), Niterói e São Gonçalo (Grande Rio).

Até o fim da tarde de hoje, a Light havia solucionado a dificuldade na capital, mas a Ampla (ex-Cerj), responsável pelo atendimento no interior do Estado, ainda não havia se pronunciado sobre os prejuízos em sua área e nem mesmo quanto tempo levaria ainda para que fosse restabelecida a energia na maior parte das cidades atingidas pelo apagão.

A empresa informou apenas que havia dificuldade de acesso a algumas áreas atingidas por causa do transbordamento de água de rios.

O secretário de Energia, Indústria Naval e Petróleo do Estado, Wagner Victer, acusou a Ampla de negligência no atendimento de plantão. "É bastante comum que a energia caia quando há um temporal como esse, mas o que não é normal é que se passem quase 24 horas sem que o problema tenha sido resolvido", argumentou o secretário, que pretende reportar a questão à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na segunda-feira (25), pedindo que a companhia seja multada.

A Aneel não se pronunciou hoje sobre o assunto. Segundo a assessoria da agência, todos os blecautes são reportados e as causas devidamente apuradas pelas distribuidoras. Victer acusou a Ampla de reservar verba para pagar as dívidas e "deixar de lado o pronto atendimento".

Vendaval

Além da falta de energia, ventos fortes destelharam casas na periferia do Rio e arrancaram árvores. Segundo a Defesa Civil, os ventos alcançaram até 70 quilômetros por hora, mais que o triplo do registrado em média nesta época do ano no Rio.

Nos bairros da Gávea, Lagoa, Jardim Botânico, Pilares, Barra da Tijuca e Jacarepágua, inúmeras ruas ficaram alagadas e outras interditadas com a queda de galhos e árvores. Em Higienópolis, zona norte, algumas casas tiveram as telhas arrancadas e quase todos os outdoors existentes na linha Amarela foram danificados.

Na zona Norte, o Shopping Nova América, localizado em Del Castilho, teve as lojas inundadas e o toldo que cobria a área externa foi arrancado com a força do vento.

A situação foi mais grave em Niterói e São Gonçalo. O vendaval derrubou painéis publicitários e arrastou lixo para as ruas, contribuindo para provocar inundações. Os Rios Imboassu, Camarão e Brandoa transbordaram. Duas pessoas foram soterradas com o desabamento da parede do quarto em que dormiam. Flávio Meirelles Cordeiro dos Santos, de 17 anos, e a mãe, Rosângela Alves da Costa, de 42 anos, ficaram entre os escombros por meia hora, até serem resgatados.

Na noite de ontem, na Ponte Rio-Niterói, dois contêineres de duas toneladas cada foram arrancados do chão e derrubados no meio da pista, no sentido Rio. Por causa do acidente, a ponte permaneceu fechada entre 22h45 e 23h30. Em Pedra de Guaratiba e Sepetiba, na zona oeste, cerca de 500 casas ficaram alagadas, deixando duas pessoas feridas sem gravidade.