O ministro da Justiça, Márcio Thomaz Bastos, afirmou hoje que algumas cidades onde é feita a Campanha do Desarmamento começam a registrar uma queda do número de homicídios. Bastos afirmou que a prorrogação da Campanha de Desarmamento deverá ser feita por medida provisória.

“Estamos pensando que esta locução proibida possa prorrogar por mais seis meses o programa”, disse, numa referência às críticas ao grande número de medidas provisórias editadas pelo governo. O prazo inicial para o fim da campanha é 23 de dezembro. Até lá, o governo espera recolher 200 mil armas – 120 mil a mais do que havia sido planejado quando a iniciativa foi lançada.

As armas recolhidas, afirmou Bastos, devem reduzir de forma significativa o número de casos de violência provocadas por discussões, brigas de trânsito ou domiciliares. “O desarmamento de bandidos fazemos com serviços de inteligência, com apreensões”, afirmou. Segundo ele, até agora comitês de desarmamento foram montados em 18 Estados. “Faltam 9 Estados, número que certamente devemos atingir nas próximas duas semanas” disse.