O ministro da Integração Nacional, Ciro Gomes, afirmou hoje, por meio de nota oficial, que aceitou o pedido de afastamento do secretário-executivo do ministério, Marcio Lacerda, por acreditar que ele é inocente. "Comete-se uma grave injustiça contra um cidadão respeitável e tentam trazer a suspeita de que eu poderia estar envolvido", diz o comunicado.

Marcio Lacerda pediu afast amento do cargo nesta terça-feira após o depoimento da gerente administrativa da agência de publicidade SMP&B, Simone Vasconcelos, à Polícia Federal. Ela acusou Lacerda de ter sacado R$ 1 milhão das contas do empresário mineiro Marcos Valério no Banco Rural. Lacerda negou ao ministro Ciro Gomes estar envolvido no caso e pediu afastamento.

De acordo com a nota, Ciro diz que Simone Vasconcelos teria mencionado Marcio Lacerda por causa de um pedido que o ex-secretário-executivo fez ao tesoureiro licenciado do PT, Delúbio Soares, para o pagamento de uma conta atrasada do PT com a empresa de publicidade New Trade.

A agência, segundo a nota, prestou serviços à empresa de Duda Mendonça, responsável pela campanha de Luiz Inácio Lula da Silva, e também à campanha presidencial de Ciro, em 2002. Como os proprietários das agência conheciam Lacerda, pediram a ele, no início de 2003, que intermediasse junto a Delúbio o pedido pelo pagamento, explica a assessoria de imprensa do ministro.

"É desta relação que teria nascido o pagamento regular, por ordem bancário formal, contra nota fiscal regular a partir de uma das empresas de Marcos Valério", afirma o comunicado.