No encontro com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Marco Aurélio Mello, hoje à tarde, o candidato à Presidência da República pelo PPS, Ciro Gomes, tinha uma preocupação: passar uma imagem de homem sereno e democrata, e que respeita as instituições. Ciro disse a Mello que algumas vezes suas frases têm sido interpretadas de forma equivocada, como na semana passada, quando afirmou ?o mercado que se lixe?  durante jantar com empresários em São Paulo. ?Ele tornou a ressaltar que foi governador e prefeito e que sempre manteve um nível de compreensão maior com o Legislativo e o Judiciário?, contou Marco Aurélio. ?E disse que não procede o que se imagina: que, como presidente, venha a atropelar as instituições?, acrescentou.

No encontro, Ciro Gomes garantiu a Marco Aurélio que é um democrata e que pretende governar de acordo com os princípios constitucionais, caso seja eleito presidente da República.

Em conversa com jornalistas, Ciro disse que a ?a Justiça é a pedra de toque da democracia e das liberdades?. Antes de entrar para a audiência com o presidente do STF, Ciro afirmou que ultimamente suas palavras têm sido ?mal versadas?. ?Às vezes, por não perceber bem a gravidade ou por desonestidade de comitês?, disse, numa referência indireta às equipes de seus adversários na disputa presidencial. O presidenciável afirmou que o povo brasileiro tem sede de Justiça e que o aumento do número de juízes deveria ser efetivado.

Ciro também reuniu-se hoje com o presidente do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Rubens Aprobato Machado. No encontro, o candidato do PPS, que é advogado, teria se comprometido a receber, democraticamente, eventuais críticas da OAB no caso de ser eleito.