Com as reformas que terão início ainda no primeiro semestre, o Hospital Oswaldo Cruz, especializado no atendimento de pacientes com Aids, se transformará em um centro de infectologia de referência para o Estado. Na semana passada, o governador Roberto Requião autorizou a abertura da licitação da reforma do hospital. O investimento do Estado nessa readequação será de R$ 500 mil.

O secretário da Saúde Cláudio Xavier explicou que as obras serão feitas na ala de internamento, na cozinha, na lavanderia, no refeitório e no prédio da administração. A ala, que conta hoje 20 leitos, passará a ter 60, sendo dois leitos de enfermaria com câmara negativa para doentes com tuberculose (para isolar o bacilo que causa essa doença). Cerca de 3.500 soropositivos estão cadastrados e procuram atendimento periodicamente no Hospital Oswaldo Cruz.

Segundo Cláudio Xavier, ?o objetivo é oferecer a melhor qualidade de tratamento aos usuários do Sistema Único da Saúde (SUS). As reformas melhorarão sensivelmente o atendimento e tornarão mais humano o tratamento dos pacientes do sistema público?.

Para o diretor do Oswaldo Cruz, Roberto Hoffman, ?a reforma atualizará o hospital nas tecnologias mais avançadas de engenharia e da área médica?. ?A câmara negativa de tuberculose, por exemplo, vai permitir que o paciente receba visitas e o atendente trate o paciente com tranqüilidade e sem medo?, observa. O Hospital Oswaldo Cruz foi fundado em 28 de janeiro de 1928 e atendeu o primeiro caso de Aids no Paraná, em 1984.

Além dos pacientes, o hospital dá atendimento aos seus familiares, nas áreas de Psicologia, Serviço Social e Fisioterapia. Os pacientes e seus familiares recebem atendimento psiquiátrico, com consultas regulares, além de atendimento fisioterápico e de assistência social, com medicamentos e cestas básicas, e encaminhamento para aposentadoria e pensões para as viúvas. ?Isso gera um volume muito grande de eventos em torno de um paciente e dá em média três mil procedimentos mensais em todas as áreas de atendimento do hospital?, comenta Roberto Hoffman.

Para melhorar ainda mais o atendimento aos pacientes, o Hospital Oswaldo Cruz tem um projeto para criar um ambulatório e uma unidade materna infantil para soropositivos, além de farmácia e radiologia ambulatoriais e laboratório para doentes com tuberculose. ?O objetivo é centralizar e facilitar o tratamento do doente soropositivo no Estado?, explica o diretor do hospital. O novo ambulatório será construído nas dependências do antigo Laboratório Central do Paraná (Lacen) e deverá ter o seu projeto pronto ainda este ano.